Doom Eternal Switch

Doom Eternal Switch


Darei, entretanto, uma visão geral básica. Doom Eternal Switch é uma sequência direta da reinicialização de 2016, continuando de onde diabos aquele parou. Digo isso porque contar histórias não é a força de Doom. Na verdade, é um incômodo limítrofe em Doom Eternal. Durante a miríade de cenas, eu encontrei meus olhos vidrados com a monotonia de tudo o que o elenco de personagens estava falando.

Da mesma forma, me peguei ignorando completamente as várias notas que peguei enquanto explorava os diversos ambientes. 

O oposto pode ser dito da ação, que é, para mim, o melhor de qualquer jogo de tiro em primeira pessoa moderno. Você é encorajado a nunca ficar parado, disparando contra os vários inimigos com qualquer arma que você tenha à sua disposição – e há muito mais deles desta vez.

Na verdade, eu diria que há muitos, e que trocar entre eles enquanto carrega em torno de um campo de batalha cheio de inimigos monstruosos é tão contra-intuitivo quanto bater em sua cabeça e esfregar seu estômago ao mesmo tempo. Ele não tem a pureza do original de 2016 e muitas armas acabam sendo negligenciadas, parecendo um enchimento.

Mas os inimigos são tão vários e brilhantes como sempre. Assim como em outros jogos, você deve adaptar sua abordagem rapidamente, usando as várias complexidades de seu arsenal para atacar os pontos fracos de cada inimigo. Porém, há um pouco de dissonância cognitiva, como usar sua mira de precisão no calor de um combate intenso. Simplesmente não parece natural parar e mirar em Doom Eternal Switch.

Leia mais em:
https://pirogames.com